7 melhores aplicativos para economizar!

aplicativo economizar

Você tem um sonho de médio ou longo prazo, mas não tem o hábito de juntar dinheiro e não sabe como economizar? Então chegou ao lugar certo!

Com a tecnologia e a criação de aplicativos todos os dias inovando e facilitando nossas rotinas, você pode usar o seu smartphone como aliado na hora de poupar no cofrinho e alcançar seus objetivos.

Não sabe como? Confira os 7 melhores apps para economizar!

  1. Organizze

Nossa primeira dica é o app Organizze, que oferece integração com todas as suas contas online, gerando um relatório de todos os seus gastos por categoria.

Basta acessar em suas contas (fique tranquilo, a sincronização do app é criptografada) e gerar os relatórios dos seus Gastos x Receitas.

Além de ter controle total das suas faturas e entender onde você está “perdendo dinheiro”, a maior vantagem do app é que ele não precisa de conexão com a internet para funcionar.

  1. 52 Semanas

Um app desenvolvido pela Mobills é o 52 Semanas – Desafio para Economizar. O desafio consiste em guardar uma quantia mínima de dinheiro por dia e aumentar o valor a cada semana.

Assim, na primeira semana você guarda R$ 1, na segunda R$ 2 e assim por diante. Ao fim do desafio (depois de 1 ano), se seguido corretamente, você deverá ter, no mínimo, R$ 1.378. Porém, é possível adaptar e aumentar o desafio de acordo com sua renda.

  1. Mobills

Com o gerenciador financeiro Mobills, você pode registrar todas as suas despesas e receita, criar um planejamento para suas finanças pessoais e uma estratégia de economia de acordo com o seu orçamento.

O software faz sincronia automática com alguns bancos e é parceiro da Multiplus, transformando seus pontos no app em prêmios.

  1. Minhas Economias

O app Minhas Economias oferece uma interface simples e intuitiva, com funções de lançar parcelamentos, cadastrar notas, analisar gráficos dos seus gastos, verificar o saldo das contas e até acompanhar notícias sobre finanças pessoais.

 

  1. Bill Reminder

O Bill Reminder é o app ideal para quem está sempre esquecendo de pagar suas contas, afinal, pagar boletos com multa por atraso é um erro simples que acaba nos fazendo gastar mais no mês.

Por isso, o app administra suas contas e gera lembretes automáticos para os dias de pagar suas contas, além de mostrar um relatório de tendências de gastos mensais.

O Bill Reminder também suporta moedas mundiais, mas infelizmente, só está disponível em inglês.

  1. Expense IQ

Mais indicado para quem precisa de um planejamento maior e mais complexo, o Expense IQ controla seus gastos e disponibiliza 12 relatórios diferentes, entre fluxo mensal de caixa, despesas por categorias e Receitas x Despesas.

Seus maiores diferenciais são o backup offline seguro e privado, a conta múltipla com suporte para várias moedas e transferência entre contas Expense IQ.

  1. Orçamento Fácil

No app Orçamento Fácil, você pode programar suas transações, criar novos modelos, configurar widgets para fazer uma transação rápida e ver um resumo do seu fluxo de caixa nos últimos períodos.

O programa também gera lembretes para suas transações e oferece mais de 90 moedas. Você também pode fazer um backup dos seus dados e acompanhar seus lucros diariamente.

  1. Money Hero

Ideal para quem ainda não tem o hábito de poupar, o Money Hero tem uma interface intuitiva e clara.

Na versão Lite gratuita você pode inserir suas receitas e despesas mensais. Automaticamente o app calcula o valor que você pode economizar por mês dentro do seu estilo de vida e se ao longo dos dias você conseguirá cumprir o objetivo.

Algum desses apps foi útil para você? Então deixe seu comentário e conte se você conseguiu economizar!

6 aplicativos para quem ama viajar!

aplicativo viajar

Com as constantes novidades no desenvolvimento de apps, as lojas de apps possuem opções para todos os gostos, inclusive para os amantes de viagem.

E se você é apaixonado por explorar novas cidades, estados ou países, sabe como é necessário ter alguns auxílios para não ficar perdido ou mesmo não sofrer nenhum choque cultural que prejudique sua experiência no lugar novo.

Por isso, confira nossas dicas com 6 aplicativos para quem ama viajar e planeje seu próprio roteiro com mais tranquilidade!

  1. Airbnb

O Airbnb é uma inovação para quem gosta de viajar gastando pouco e ele é vantajoso tanto para quem oferece a casa para alugar, quanto para quem aluga.

No app você pode se hospedar na casa de pessoas comuns, que se cadastraram no app e ofereceram um quarto ou até um espaço inteiro para alugar.

O processo de aluguel reduz muitas burocracias, o pagamento é feito pelo cartão de crédito e as hospedagens são bastante acolhedoras, já que é um morador local que te recebe.

Sem contar que, por não ser um local especializado em hospedagem, o preço sai bem mais barato que hotéis.

  1. Primeiros Socorros

Ideal em qualquer viagem, mas principalmente para viagens mais aventureiras, trilhas ou cachoeiras, o app Primeiros Socorros é um catálogo completo e grátis com diversos procedimentos de primeiros socorros para casos de emergências mais comuns.

O app é apoiado pela Cruz Vermelha e oferece orientações seguras e didáticas (todas em passo a passo) para emergências simples, mas que podem ser ideais para diminuir dores e até salvar uma vida.

  1. Plano de Viagem

Com o app Plano de Viagem você pode estruturar seus próximos roteiros com mais tranquilidade e assertividade.

O software permite uma organização dos dias de ida e volta, a quantidade total de dias no local, além de um planejamento financeiro e de roteiro completo.

Assim você pode montar sua agenda e não se esquecer de tudo que foi planejado, além de não perder os horários ou ultrapassar seu orçamento.

Também é possível montar checklists para não esquecer nenhum item na hora de fazer as malas. Muito útil, não é?

  1. XE Currency

O aplicativo XE Currency é indicado para quem viaja muito ao exterior, pois nele é possível fazer transferências globais de dinheiro, calcular taxas de câmbio e converter moedas com praticidade.

Na versão free do app você pode monitorar até 10 moedas internacionais, acessar as taxas em tempo real de todas as moedas do mundo, inclusive Bitcoin, ver gráficos do histórico da moeda nos últimos 10 anos e até definir alertas em caso de mudanças nas taxas.

Assim você sempre estará preparado para aproveitar o momento em que a moeda estiver mais barata para você.

  1. Gaia GPS

Você é apaixonado por trilhas, cachoeiras, escaladas e outras aventuras carregadas de adrenalina?

Então baixe agora o Gaia GPS, um mapa por geolocalização focado apenas em percursos ao ar livre.

Nele você pode registrar seus percursos, marcar pontos de passagem, tirar fotos com geolocalização e consultar estradas, mapas aéreos e mapas topográficos. 

  1. BlaBlaCar

Você viaja muito pelo Brasil e gosta de economizar? Então o BlaBlaCar é o app ideal.

O aplicativo funciona como um mediador entre quem duas ou mais pessoas que desejam ir a um mesmo lugar.

Funciona basicamente assim:

  • Motorista se cadastram e oferecem carona no app para ir a um destino;
  • Passageiros se cadastram buscando uma carona para ir a um destino.

O app conecta essas pessoas que desejam ir a um mesmo lugar e o passageiro paga uma ajuda no combustível (definida pelo motorista).

Pronto! Você pode viajar por todo o Brasil pagando pouco.

Gostou das nossas dicas com os 6 aplicativos para te ajudar nas suas viagens? Então deixe seu comentário sobre qual foi o mais útil para você!

 

SEO para aplicativos como melhorar a visibilidade na pesquisa mobile?

seo aplicativos moveis

O SEO para blogs já não é mais novidade no marketing digital e todos os dias vemos estratégias para posicionar melhor os conteúdos de forma orgânica nos mecanismos de busca.

Mas você sabia que desde o desenvolvimento de um app até seu lançamento é necessário pensar também em estratégias de SEO?

Conhecida como ASO (App Store Optimization), essa é mais um conjunto de técnicas de otimização do seu software para se posicionar organicamente nas lojas Google Play Store e App Store. Vamos aprender um pouco mais sobre elas?

Otimização ASO On-Metadata

A otimização ASO On-Metadata é equivalente ao SEO On Page, ou seja, é a adaptação de todos os itens que estão ao seu alcance no aplicativo, o que envolve:

  • Título;
  • Descrição;
  • Fotos;
  • Palavras-chave;
  • Ícone.

Vamos descobrir um pouco mais sobre como otimizar cada um?

Título

O título do seu app é um item de grande peso no rankeamento dos softwares, portanto, é mais indicado que ele possua uma palavra-chave relevante.

Descrição

A descrição é o espaço em que você terá maior possibilidade de trabalhar as palavras-chave do seu app, por isso, foque em não diluir a keyword apenas para preencher o espaço de texto.

Na hora de escolher as palavras-chave do seu app, opte por keywords com alto volume de buscas e baixa concorrência.

Além disso, produza um conteúdo que tenha o principal benefício do app e uma call-to-action antes do botão de “Leia Mais” da descrição, pois poucos usuários irão clicar ali para saber mais sobre o app.

Fotos e Vídeos

Como vídeos são bastante didáticos, é um diferencial ter um explicativo na sua appstore.

Porém, as fotos são essenciais para atrair o usuário, pois são fáceis de visualizar e não exigem muita internet.

Portanto, tire fotos de qualidade da interface do app, com boa resolução, mas sempre comprima a imagem para não afetar o carregamento dos itens.

Otimização ASO Off-Metadata

O ASO Off-Metadata funciona da mesma forma que no SEO off page e é essencial para aumentar a autoridade e a visibilidade do seu app nas lojas.

Por isso, algumas dicas de otimização ASO Off-Metadata são:

  • Incentive as notas de ranking na loja de apps, aquela opção que o usuário tem de classificar o app entre 0 a 5 estrelas, oferecendo recompensas para usuários que fizerem isso;
  • Além de classificar por estrelas, incentive os usuários a deixarem avaliações em comentários, justificando a nota dada ao app.

Após conseguir essas avaliações e comentários, monitore o que os usuários estão dizendo e responda cada um deles, solucionando suas dúvidas e problema.

Isso mostra ao mecanismo da appstore que o criador do software mantém as atualizações do software frequente de acordo com a necessidade dos usuários.

Link Building

Por último, o link building é a estratégia de coletar links externos apontando para a página do seu app.

Para conseguir backlinks, entregue releases para a imprensa, fale com parceiros e ofereça artigos para blogs. 

Mas lembre-se que o Google leva em consideração o contexto em que o backlink está inserido, portanto, entregue conteúdos mais relacionados a aplicativos e tecnologia ou com o nicho do seu software.

Um ponto interessante é que vídeos são conteúdos bastante relevantes para o Google, por isso, entregue pautas com vídeos explicativos sobre o app.

Dica extra: além do SEO para aplicativos

Por último, apesar de não ser uma estratégia orgânica, vale à pena investir em ads no Google Admob, em que você pode veicular anúncios sobre seu software dentro de aplicativos semelhantes.

Afinal, o usuário que for impactado por este anúncio estará mais disposto a baixar um app semelhante ao que ele já conhece e gosta.

Te ajudamos com nossas dicas de SEO para aumentar a visibilidade dos aplicativos na appstore? Deixe seu comentário! 

5 desafios mais comuns ao criar um aplicativo mobile

app mobile

Não é novidade que no Brasil, a tendência do uso mobile cresce cada vez mais, principalmente com a facilidade para adquirir um smartphone e a praticidade desse item no dia a dia. Por isso, muitas empresas estão investindo no desenvolvimento de aplicativos mobile para aproximar dos clientes.

Porém, desenvolver um aplicativo não é tarefa fácil nem barata, sendo fundamental evitar os erros mais comuns cometidos nesse processo.

Se você está desenvolvendo um aplicativo, confira os 5 desafios mais comuns ao criar um app mobile e reduza seus riscos!

A escolha da plataforma

O primeiro empecilho que você deve encontrar é a dúvida sobre para qual plataforma desenvolver seu app: Android, iOs ou os dois. Afinal, cada uma tem um público diferente e demanda um tempo e gasto diferente.

Porém, isso não deve ser analisado isoladamente. Um app nativo para Android pode sair mais caro e demandar mais tempo do que dois híbridos para as duas plataformas.

Isso porque o desenvolvimento nativo busca se aproximar mais com a interface da plataforma e requer maior complexidade.

O ideal é sempre pesquisar qual sistema operacional seu público mais usa e, a não ser que haja limitação de orçamento, sempre opte pelos apps nativos.

É importante lembrar que:

  • Apps híbridos têm uma performance menor que apps nativos;
  • Os softwares híbridos são mais limitados quanto ao acesso aos recursos do aparelho, restringindo integrações e coleta de dados do usuário.

Conexão com a internet e experiência offline

Provavelmente seu aplicativo depende, em algum nível, de conexão com a internet, certo?

É importante nessa etapa, não cometer um erro comum, que é desconsiderar a experiência offline do usuário.

Coloque sempre em questão:

  • O que acontece com seu app quando a conexão cai?
  • A trajetória de ações do usuário é salva e recuperada depois de reconectar?
  • O usuário vê alguma mensagem sobre ter caído a conexão ou é pego de surpresa?
  • Seu software informa o usuário o quanto de dados você está consumindo dele?

Isso é importante para não ser lembrado por uma experiência ruim do app que acabou com a franquia do usuário no primeiro dia. Por isso, seja transparente em todo momento.

Recursos e testes

Ao contrário dos softwares para computador, que contam com a alta capacidade dos equipamentos, o aplicativo mobile está sujeito às limitações dos seus recursos.

Por isso, é um desafio desenvolver um app para uma memória RAM limitada sem prejudicar a experiência do usuário.

Para evitar problemas de performance, é ideal investir em testes durante todo o processo, principalmente com usuários, garantindo que o app tenha três pontos fundamentais:

  • Ocupe pouca memória;
  • Não consuma a bateria do usuário de uma só vez;
  • Não trave ou tenha um desempenho lento.

Manutenção

Além do custo de desenvolvimento do app, há também o processo de manutenção.

Com as constantes atualizações dos sistemas operacionais, o código do seu software pode se tornar ultrapassado se você não corrigir os bugs.

Para evitar esse problema, a metodologia Scrum é muito utilizada para atualizar os recursos do software de acordo com as prioridades e necessidades do usuário em um período de tempo que não prejudique sua experiência.

Divulgação e Interstitials

Após seu software estar pronto, chegou a hora de divulgá-lo. Nesse momento, é ideal traçar uma estratégia de marketing com mídias pagas. Caso você já tenha um canal de conteúdo orgânico, também é válido usá-lo.

Porém, nos anúncios veiculados, lembre-se de desenvolver peças com um banner responsivo.

É mais vantajoso que os usuários baixem seu app porque acharam a chamada interessante do que porque foram interrompidos no navegador e clicaram em “download” sem querer.

Essa experiência inicial com interstitials, conteúdos que cobrem toda a tela, é invasiva e gera uma imagem ruim do seu negócio.

E você, está com algum desafio para criar seu app? Deixe seu comentário!

Marketing para aplicativos: 5 estratégias para garantir o sucesso do seu app

smartphone

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o desenvolvimento de um aplicativo não consiste apenas em passar a tarefa para o desenvolvedor e receber os lucros. Na verdade antes mesmo do desenvolvimento do app, sua equipe de marketing deve elaborar estratégias para divulgar o software e garantir cada vez mais conversões.

Por isso, confira o artigo de hoje e faça planejamento a partir dos 5 pilares de marketing para aplicativos mobile!

  1. Criação de persona

A primeira etapa é fundamental para guiar todo o resto do seu marketing, pois assim você garante que está falando exatamente com o público que se interessa pelo seu software.

Por isso, comece criando uma persona para o seu app. A persona é uma personificação mais segmentada do seu público alvo.

Ou seja, se seu público é homens de 28 a 35 anos, sua persona pode ser o “Robson, 30 anos, mora sozinho, está terminando a faculdade que conquistou por bolsa, etc…”

Especificando dessa forma você consegue entender a fundo os hábitos, interesses e principalmente: as dores do seu usuário.

A partir daí você pode nortear suas campanhas pagas, se é mais indicado fazer um app gratuito ou pago, a linguagem do app, entre outros fatores.

  1. Técnicas de SEO e ASO

Nessa etapa, você pode elaborar estratégias em 2 canais diferentes: o SEO é a otimização de sites para mecanismos de buscas, enquanto o ASO é a otimização dos aplicativos mobile para as lojas de apps.

Investindo em técnicas de SEO você pode, por exemplo, escrever artigos no blog da sua marca ou produzir vídeos no YouTube que solucionem as dúvidas da sua persona.

Assim é possível guiar os usuários provindos de várias etapas do funil de vendas diferente para que eles cheguem ao seu app.

Já o ASO são um conjunto de técnicas para posicionar seu software nas app stores. As principais práticas de ASO são:

  • Nome do app intuitivo e relacionado à sua principal funcionalidade;
  • Ícone com identidade visual atrativa, clara e concisa;
  • Uso de palavras-chave relevantes na descrição do app;
  • Screenshots do software nas imagens da loja.

Esses já são bons passos para começar a posicionar seu aplicativo.

  1. Avalie os concorrentes

Antes de lançar seu aplicativo, é fundamental avaliar como os seus concorrentes diretos se posicionam online.

Avalie e registre alguns pontos como:

  • O concorrente está presente em quais canais (Facebook, Blog, Instagram…)?
  • Ele usa qual linguagem com os usuários?
  • O que os usuários comentam no app do concorrente?
  • Quais fotos ele usa na app store?
  • Quais são as principais palavras-chave identificadas na descrição do software?

A partir dessa análise você não só pode reproduzir o que deu certo com o concorrente e testar se é efetivo com sua marca, como também pode coletar dados sobre o que não deu certo para eles, oferecendo assim um diferencial do seu software.

  1. Não se esqueça das métricas

A base do marketing é testar novas estratégias, porém, isso só é possível analisando as métricas do seu app.

Se por exemplo, a meta da sua marca é que o visitante passe pelas telas X e Y do software, mas no monitoramento você identificou que ele acessa apenas a X.

Sem o acompanhamento das métricas não é possível tomar novas decisões e você acaba investindo em estratégias que não dão retorno.

Algumas ferramentas podem ajudar nessa tarefa, como:

5. Invista na retenção do usuário

Por último, não basta apenas conquistar um download, o ideal é aumentar o tempo de vida útil do usuário com o seu app, ou seja, o tempo de interação dele no software.

Para isso, use notificações push up que estimulem o engajamento do usuário, crie conteúdos que agregam valor ao app e crie um relacionamento com o cliente.

Anúncios em aplicativos: Vantagens e Desvantagens

gilles lambert pb lFVWaPU unsplash

Anúncios em aplicativos: Vantagens e Desvantagens

O desenvolvimento de aplicativos têm se tornado cada vez mais comum entre empresas que querem se aproximar de seus clientes. Porém, caso o software não seja desenvolvido para venda direta, é necessário criar algum método de monetização, como por exemplo o uso de anúncios.

Você está desenvolvendo seu software e pensa em incluir anúncios nos aplicativos? Veja as principais vantagens e desvantagens dessa estratégia!

Quais as vantagens de inserir anúncios em aplicativos?

 

  • Segmentação do anúncio

 

Assim como anúncios em outras plataformas, nos apps mobile você também pode segmentar os usuários do seu app veem.

Portanto, se você achar algum anúncio de gênero ou tópico invasivo, é possível filtrar quais serão veiculados no seu software ou não.

Isso te dá mais controle sobre o conteúdo dos anúncios relacionados ao seu app, para que cada ad veiculado tenha relação com os interesses do usuário.

Afinal, cada ad conta como a experiência do usuário também.

 

  • Receita de acordo com a concorrência

 

No sistema de monetização de ads em aplicativos, quanto mais anunciantes concorrem para exibir anúncios no seu software, mais eles pagam no custo por impressão. Consequentemente, seus lucros se tornam cada vez maiores. Ou seja, o sucesso do seu app não será apenas pelo número de downloads, mas também pelas impressões de ads.

 

  • Gratuito para o usuário

 

Ao oferecer um aplicativo com anúncios, o usuário não paga nada para instalá-lo, isso agrega valor por tornar sua empresa acessível para o público.

Além disso, um software gratuito não limita o público que irá baixá-lo, aumentando suas possibilidades de atingir uma audiência maior e até de viralização.

 

  • Ofereça recompensas e aumente o engajamento

 

Técnica muita usada em games para smartphone, as recompensas por interação com anúncios ajudam a aumentar o engajamento do usuário com seu app.

Você pode, por exemplo, recompensar o usuário com “moedas exclusivas” se ele assistir um anúncio até o final. Além de aprimorar a user experience, você garante sua receita em ads.

 

  • Você pode oferecer serviço Premium

 

Se um usuário não paga pelo seu aplicativo, você pode oferecer benefícios para quem pagar a mais por um serviço Premium.

Ofereça funcionalidades e conteúdos exclusivos apenas para quem se tornar assinante. Assim você pode incentivar o pagamento do app ou até oferecer um modelo de recorrência, como é o caso do Spotify.

 

  • Possibilidade de patrocínio

 

Apesar de não ser tão comum, quando um app gratuito com ads se torna viral e ganha muito sucesso, algumas empresas podem entrar em contato oferecendo patrocínio.

Ou seja, se seu software tiver sucesso, você também pode fazer parcerias exclusivas de ads para marcas específicas, que provavelmente pagarão muito bem por impressão.

E quais as desvantagens dos anúncios em apps?

A principal desvantagem dos anúncios é que, por mais discretos que sejam, eles causam poluição visual para o usuário, principalmente quando aparecem muitos em seguida “disputando” a atenção do seu público.

Outro ponto é que, dependendo da quantidade de impressões dos anúncios do seu app e a capacidade do dispositivo do seu usuário, a usabilidade do software pode ser prejudicada com travamentos e carregamento lento.

Além disso, anúncios de baixa qualidade podem distrair seu usuário da jornada de ações que ele deve seguir dentro do app.

Por último, apesar de gerar receita em volume, o custo por mil impressões ainda é muito baixo, em torno de R$ 0,30.

Para aumentar sua receita em nível significativo, será necessário otimizar os anúncios diariamente, o que acarreta mais gastos de equipe.

Portanto, vale a pena investir também em compras in-app para gerar mais lucros.

Agora que você já sabe as vantagens e desvantagens dos anúncios em apps, comente se você irá adotar essa estratégia ou não!

 

6 dicas para aumentar os downloads do seu aplicativo

Mulher celular na mao

Com as novas funcionalidades da Google Play, App Store e as atualizações do Google cada vez mais focando na experiência do usuário, desenvolver um aplicativo têm se tornado muito mais do que uma tarefa apenas para os desenvolvedores.

Antes mesmo de lançar o seu app, sua equipe de marketing deve traçar estratégias para garantir os downloads nas lojas, afinal, essa é uma das métricas para identificar o sucesso do aplicativo.

Por isso, confira nossas 6 dicas para aumentar os downloads do seu aplicativo!

1. Faça seu app ser visto

Obviamente, ninguém baixa um aplicativo que nunca ouviu falar. Portanto, a primeira dica é preparar uma equipe que irá se esforçar em contatar a imprensa.

Alguns portais de notícia aceitam releases sobre aplicativos inovadores se a informação for relevante para o público deles. Além de você conquistar um backlink para o seu site, você aumenta a força da sua marca.

Contate jornalistas, micro influenciadores e peça a eles para falar sobre seu app, mostrando o diferencial e as funcionalidades do app. 

2. Comentários

Esse é um investimento a longo prazo, mas indiretamente os comentários e avaliações na app store estimulam outros usuários a darem um voto de confiança no seu app.

Por isso, sempre responda todos os feedbacks resolvendo o problema do usuário. Também incentive os usuários da plataforma a deixar uma avaliação – ofereça uma recompensa em troca.

3. Técnicas de ASO

Você já ouviu falar do SEO, certo? O SEO é a estratégia de otimização de páginas, blogs e sites para ranquear de forma natural nos mecanismos de busca como o Google.

Equivalente ao SEO, existem as técnicas de ASO, que são elaboradas a fim de melhorar o posicionamento orgânico dos aplicativos nas app stores.

Entre as técnicas, os principais pontos são:

  • Nome atrativo, que use palavra-chave e que seja de fácil assimilação;
  • Responder às avaliações, comentários e feedbacks da appstore;
  • Corrigir todos os bugs que os usuários encontrarem;
  • Usar um ícone atrativo e com identidade visual alinhada à ideia do app.

Seguindo as boas práticas de ASO, você aumenta suas chances de posicionar organicamente.

4. Anúncios com Google AdWords

Muitas vezes apenas os esforços orgânicos não são suficientes e passa a ser necessário investir em mídia paga.

Por isso, a solução para aumentar o número de downloads do seu app é anunciar pelo Google Adwords.

Nessa etapa, colete o máximo de informações possíveis sobre o seu público alvo: seus interesses, hobbies, profissões, etc.

Conhecendo a rotina e os hábitos da sua persona, você conseguirá investir em anúncios bem segmentos, sem jogar dinheiro fora.

Um bom passo a passo para divulgar seu app pelo Google Adwords é:

  1. Analisar seu público através do Google Analytics Mobile;
  2. Segmentação de onde seu anúncio irá veicular (dentro de outros apps relacionados, em vídeo, dentro da própria store…);
  3. Selecionar a meta principal como “Instalações”, que fará com que o usuário baixe o app;
  4. Crie peças com CTAs claros e design atrativo, de preferência elaborado por um UX/UI designer.

5. Mídias sociais

Além de patrocinar seu app no Google, não se esqueça que hoje, 62% da população brasileira está ativa nas redes sociais.

É nas redes que você pode alcançar sua persona bem segmentada e até fazer anúncios retargeting.

Sem contar que na própria página da sua marca você pode estimular seus clientes a ficarem ansiosos esperando pelo lançamento do aplicativo.

6. Ofereça recompensas

Você se lembra quando o Uber surgiu oferecendo descontos para usuários que indicassem o app para um amigo?

A promoção dava R$ 20 de desconto para os dois amigos do sistema de indicação, o que criou uma rede enorme de pessoas experimentando o app em troca do benefício.

É um grande investimento inicial, mas se o seu app oferecer um diferencial, esse vai ser o start do seu sucesso.

Gostou das dicas? Deixe seu comentário!

 

6 métricas para medir o sucesso do seu aplicativo

metricas-medir-sucesso-app

Com as mudanças na comunicação e na forma que consumimos, os aplicativos se tornaram excelentes formas das empresas fidelizarem clientes e aumentarem suas vendas. Porém, não basta apenas investir no desenvolvimento de um aplicativo e torcer que ele funcione, é necessário acompanhar seu desempenho, o que vai além de apenas saber o número de visitantes, downloads e usuários ativos.

Por isso, antes de desenvolver seu software, confira X métricas para medir o sucesso do seu aplicativo!

1. Custo por download e custo por usuário ativo

O custo por download é essencial para entender quanto cada cliente custa para ser adquirido no seu app.

O cálculo desse custo baseia-se em dividir o custo total da aquisição pelo número de downloads.

Além disso, é fundamental calcular também o custo por usuário ativo, que deve ser entendido como o usuário que acessou o app pelo menos 3 vezes.

Assim é possível planejar suas ações de marketing para reduzir esse gasto.

2. Receita média por usuário

Após calcular o custo de um usuário, você deve calcular qual é a receita que ele gera no app.

Esse cálculo é feito dividindo a receita total pela quantidade de usuários ativos no software.

Sabendo esse valor, é possível otimizar suas campanhas e projetar um teto máximo de gastos com cada usuário.

Consequentemente, sua receita média por usuário nunca deve ultrapassar o custo por usuário.

3. Taxa de retenção

O sucesso de um aplicativo não deve ser medido apenas pelo número de downloads realizados, mas também por quantas vezes os usuários estão voltando a usar ele.

Afinal, de nada adianta alguém baixar seu app e desinstalá-lo logo em seguida.

Por isso, sempre monitore as taxas de retenção, principalmente após implementar novos recursos.

4. Taxa de engajamento

A taxa de engajamento é uma métrica usada em outras campanhas de publicidade e ela se refere ao nível de interação dos usuários com seu aplicativo.

Para calcular o engajamento de forma mais tangível, você deve analisar as seguintes métricas:

  • Tempo por sessão: quanto tempo um usuário gasta no seu aplicativo durante uma sessão;
  • Taxa de conversão em ações: a porcentagem de usuários que completa um número X de ações no seu app;
  • Opt-ins e opt-outs: respectivamente, quantos usuários se cadastram para receber notificações e quantos pedem para não receber mais;
  • Módulos do aplicativo por sessão: quantos modos do app são usadas pelo usuário em uma única sessão;
  • Intervalo de sessão: a frequência que os usuários abrem seu app.

A taxa média de engajamento dos apps mobile é de 39% de usuários ativos, por isso, monitore essa métrica para incentivar que os usuários indiquem seu app.

5. Churn

A taxa de churn mede a porcentagem de pessoas que cancelou o serviço, ou seja, que desinstalou o aplicativo.

Esse cálculo é importante para entender se seu app consegue reter a atenção do usuário, fazendo além de apenas solucionar a dúvida dele.

Quanto menor a taxa de churn do seu app, melhor, mas ela deve ser acompanhada junto à taxa de retenção dos clientes.

6. Deslocamento no funil de conversão

O funil de conversão do usuário é toda sua trajetória até tomar a ação desejada dentro do seu app.

Ele informa se seu app cumpre o objetivo e ajuda a corrigir erros do software que estejam desviando o usuário de sua trajetória de conversão.

Para analisar essa métrica, invista em ferramentas de gravação da sessão do usuário.

Por último, apesar de não ser uma métrica exata, você deve sempre registrar, analisar e responder os feedbacks dos usuários que baixaram seu app.

Só assim é possível entender se o software atende às necessidades do usuário e o que é necessário aprimorar nele.

Gostou das nossas dicas sobre métricas para medir o sucesso do seu aplicativo? Então deixe um comentário!

A importância do feedback para o desenvolvimento do seu aplicativo

yura fresh unsplash

Em todos os âmbitos, o feedback é uma ferramenta para medir a qualidade de um serviço ou desempenho. Com o desenvolvimento de aplicativos não seria diferente, principalmente se o feedback for do próprio usuário.

Afinal, hoje em dia é comum os usuários levarem em consideração a nota de produtos, locais e serviços em seus sistemas de avaliação. Seria um enorme investimento de tempo e dinheiro produzir um aplicativo sem feedbacks para receber péssimas avaliações em sua versão final, não é mesmo?

Por isso, saiba no artigo de hoje qual é a importância do feedback para o desenvolvimento do seu aplicativo e como implementá-lo!

Analisando os feedbacks dos concorrentes

Antes de iniciar o desenvolvimento do seu aplicativo, crie uma lista simples com seus concorrentes diretos e indiretos.

Abra os aplicativos dos concorrentes e analise os comentários e avaliações dos usuários deles.

Registre os mais relevantes e analise também como o concorrente responde cada usuário.

A partir disso você pode entender:

  • Qual é a linguagem do seu público;
  • Como se comunicar com esses usuários;
  • Quais recursos poderiam ter no seu app para se diferenciar do concorrente;
  • Quais são as palavras-chave em comum que todos os usuários usam nas avaliações;
  • Como solucionar problemas do usuário.Essa é uma alternativa de baixo investimento, chamada mineração de reviews, e pode te fornecer insights valiosos sobre o que seu app precisa ter que o concorrente não tem, ou quais erros não cometer.

O feedback durante a etapa de testes

Ao lançar o protótipo do seu app, uma versão beta, chega a parte de pedir os primeiros feedbacks aos usuários.

Para isso, selecione o máximo de pessoas que conseguir, de diversos públicos diferentes, para entender, em primeiro lugar, se seu app é intuitivo para qualquer um.

Explique de forma rasa o que é o app e qual seu objetivo, mas não aprofunde demais para não influenciar a percepção do usuário.

Deixe-o testar o app pelo tempo que for necessário, e sempre que possível, grave ou escreva tudo que ele lhe falou.

Algumas boas perguntas nessa etapa são:

  • Você conseguiu encontrar o que queria?
  • Encontrou dificuldade para acessar alguma aba do app?
  • Houve alguma informação que você não compreendeu?
  • Durante sua navegação, encontrou algum problema que te atrapalhou?

Outras perguntas surgem naturalmente durante o processo e a trajetória de cada usuário.

O importante é que o usuário se sinta confortável para testar e lhe contar como ele se sente em cada parte do aplicativo.

Como incentivar o feedback após a versão final

Assim que lançar sua versão final do aplicativo, chegou o momento de receber as avaliações definitivas. Veja formas de incentivar o feedback nesta etapa:

 

  • Várias redes
  • Neste momento, permita que o usuário dê o feedback em várias plataformas e não apenas na loja do app.

    Por isso, mostre o seu site, sua página no Facebook e crie uma integração entre todas as redes. O usuário precisa perceber que você está disponível e acessível para receber críticas.

  • Recompensas
  • Seu app é um jogo? Forneça ao usuário uma recompensa rara do game caso ele faça uma avaliação.

    É uma rede social? Ofereça um serviço Premium por tempo limitado, sem pedir dados pessoais ou bancários em troca.

    Além de incentivar o feedback, o usuário irá conhecer mais funcionalidades do seu app, estando mais disposto a criar uma relação de fidelidade ou comprar seus produtos.

  • Notificações
  • Outra forma de incentivar as avaliações é pedir por elas dentro do próprio app. Programe para que depois de algum tempo usando o software, surja uma notificação push solicitando o usuário a avaliar.

    Por último, não se preocupe com feedbacks ruins, pois 30% dos consumidores duvidam de um produto quando não encontram avaliações negativas.

    Ficou claro a importância do feedback para o desenvolvimento do seu aplicativo? Deixe seu comentário!

 

Entenda tudo sobre geolocalização de aplicativos

geolocalização aplicativos

Em uma realidade em que cada vez mais a tecnologia está em nosso cotidiano, a geolocalização se tornou mais que uma funcionalidade. Hoje em dia ela é essencial para facilitar rotas no trânsito, mostrar serviços próximos e até garantir a segurança dos nossos amigos e familiares. Um exemplo disso é a diversidade de aplicativos que implantaram a geolocalização entre seus recursos.

Quer saber mais sobre o que é e como funciona a geolocalização de aplicativos? Confira no artigo de hoje!

 

O que é a geolocalização dos aplicativos?

A geolocalização é basicamente uma tecnologia que permite que um equipamento localize um objeto ou usuário.

Dependendo da tecnologia utilizada, a geolocalização pode mostrar tanto uma estimativa geográfica até uma identificação exata de local.

Originalmente a função foi destinada para uso militar, mas atualmente o recurso é utilizado no desenvolvimento de aplicativos, em smartphones, notebooks, tablets e smartwatches.

Alguns exemplos de apps que usam a geolocalização são: Waze, Google Maps, iFood e Uber.

 

Tipos de geolocalização

A geolocalização pode funcionar das seguintes formas:

  • GPS

Hoje em dia a tecnologia de geolocalização mais confiável e utilizada é a via satélite, o GPS.

Com ela, vários satélites conectados emitem sinais que são coletados e registrados por um terminal.

A partir desses dados, o terminal identifica latitude, longitude e altitude, determinando a localização do objeto.

  • Wi-Fi

Uma alternativa de geolocalização mais usada em ambientes fechados é por Wi-Fi.

Através de várias redes de Wi-Fi disponíveis, é possível determinar a localização de um dispositivo, mesmo que ele não esteja conectado ao GPS e que não tenha sinal da operadora.

  • GSM

Conhecida também como radiofrequência, a tecnologia de geolocalização GSM utiliza as ondas de rádio oferecidas pelas operadoras de telefonia para identificar a posição de um objeto.

Com ela, é possível localizar um dispositivo mesmo que seu GPS esteja desativado, contanto que haja algum sinal da operadora na região.

  • AGPS

O sistema de AGPS é uma versão aprimorada do GPS. Ele coleta dados via satélite, mas também recebe, ao mesmo tempo, informações de uma conexão de dados de uma operadora.

Cruzando essas informações, ele consegue informar a localização de um objeto com mais precisão.

 

Para quais aplicativos a geolocalização é indicada?

Caso você esteja planejando desenvolver um aplicativo, seja para comunicação interna da empresa ou para fins comerciais, saiba quais as melhores categorias de app para integrar a geolocalização:

  • Transporte

Tanto para o meio urbano quanto para controle de cargas, o GPS oferece o rastreamento de objetos e veículos em tempo real, sendo ideais para apps de transporte.

  • Controle parental

A segurança da família é mais um nicho em que a geolocalização se encaixa bem, pois o recurso permite acompanhar onde estão os familiares a partir do smartphone.

  • Serviços próximos

Apps de categorias como o Pedidos Já e iFood devem obrigatoriamente ter uma geolocalização integrada.

O recurso informa ao usuários quais os estabelecimentos mais próximos de sua localização, aprimorando a experiência no app.

Até mesmo na categoria de jogos é possível integrar a geolocalização para criar uma experiência de realidade virtual. Quem não se lembra do estouro de Ingress e Pokémon GO?

 

Vale a pena utilizar geolocalização em aplicativos?

Hoje em dia já se tornou comum baixar um aplicativo e aceitar todas as integrações que ele solicita, incluindo a geolocalização.

Ao aceitar essas solicitações, o usuário permite o acesso à sua localização e outras informações, pois, em troca, tem uma experiência mais personalizada no aplicativo.

Além disso, as principais vantagens de integrar a geolocalização em aplicativos são:

  • Fornece uma análise dos locais frequentados pelo usuário. Consequentemente, permite traçar um perfil dos hábitos e personalidade dos seus clientes, aprimorando o conhecimento da persona;
  • Melhora a experiência do usuário, pois pelo app é possível entregar ofertas personalizadas de acordo com sua região;
  • Permite personalizar resultados de buscas;
  • Possibilita melhorar a comunicação com os clientes através da segmentação hiper localizada;
  • Facilita o deslocamento e monitoramento da equipe externa, em caso de apps empresariais para controle e geração de rotas;

Outra vantagem é que em caso de apps que oferecem rastreamento de produtos em tempo real, a geolocalização reduz a ansiedade dos clientes e aumenta a satisfação.

 

Quais as desvantagens da geolocalização para aplicativos?

Atualmente a maior desvantagem da geolocalização em aplicativos é que ela pode gerar um sentimento de invasão de privacidade e insegurança, pois ela solicita uma informação muito pessoal do usuário.

Muitos usuários se recusam a instalar um aplicativo que solicita a geolocalização, portanto, a empresa que investe nesse recurso deve oferecer benefícios valiosos em troca da informação.

Outro empecilho é que inserir esse recurso no desenvolvimento de um aplicativo encarece seu valor, mas isso acontece com outros recursos também.

Em alguns casos, é mais válido eliminar outros recursos não tão necessários para não abrir mão das informações valiosas que a geolocalização oferece sobre os usuários do app.

 

Ainda tem alguma dúvida sobre a geolocalização para aplicativos? Deixe seu comentário!

pt_BRPortuguese
en_USEnglish es_ESSpanish pt_BRPortuguese

conte sua ideia para nós

Fale Conosco